2018-07-18

Rei Kawakubo


Em Dezembro de 2017 guardei esta imagem que me agradou


 e que pesquisando com o Google Images me levou à estilista japonesa Rei Kawakubo. Tenho sentimentos contraditórios em relação à alta costura, por um  lado acho graça a alguns devaneios, por outro fico pasmado com a quantidade de dinheiro que movimenta que poderia ter melhor aplicação noutras actividades.

A estilista vestida com uma casaco de cabedal preto e uns óculos escuros que escondem os olhos fizeram-me lembrar o Karl Lagerfeld, que cultiva uma imagem com que também antipatizo.

Estes objectos que mostro acima fizeram parte duma exposição no MET em Nova Iorque sobre a obra desta estilista que decorreu de Maio a Setembro de 2017.



2018-07-16

Processadores gráficos



Em tempos guardava mais fotocópias do que as que tinha capacidade ou disposição para ler. Agora acontece-me algo semellhante com endereços de sítios que julgo serem interessantes mas que depois ou não vejo ou demoro bastante tempo até os ver.

Foi o que aconteceu com esta apresentação de  Jensen Huang, fundador e CEO da empresa americana NVIDIA que costuma ser o fabricante das interfaces gráficas dos PCs que tenho comprado. Já guardei o link há tanto tempo que não me lembro porque o fiz. Vi agora a apresentação, datada de Out/2017 e bastante longa de quase duas horas, mas interessante, com mais de 1 milhão de visitas, tratando-se dum evento (em Mar/2018 já ocorreu outro) promovido por este fabricante de interfaces gráficas. Quem não tiver tempo (ou disposição) para ver o video poderá talvez recorrer a este power-point .

A miniaturização dos transistores que possibilitou os sucessivos aumentos de performance dos microprocessadores nos últimos 40 anos parece ter chegado ao fim e a continuação desse aumento de performance parece agora depender mais do aumento de eficácia do software bem como da exploração de vários processadores em paralelo, técnica que tem sido comum nos processadores gráficos de alta performance.


As técnicas mais recentes de IA (Inteligência Artificial) parecem ter dado também mais frutos, a primeira onda de IA nos anos 70 e 80 do século passado era mais um argumento de marketing do que propriamente uma realidade.

Uma das técnicas que tem obtido bons resultados tem sido o “adversarial training” em que por exemplo colocam dois programas a competir em que um tenta imitar obras por exemplo de Picasso e outro tenta descobrir falsos Picassos. No fim de cada sessão de treino quer um quer outro dos programas melhorou a sua performance, um a imitar melhor, o outro a detectar imitações.

Mostraram uma plataforma de realidade virtual em que pessoas em locais diferentes podiam aceder a um mesmo modelo de carro, com sensações tácteis quando “tocavam” no carro virtual. Fez-me lembrar o que chamavam “sensation motrices” no avião Concorde, em que os flaps eram comandados por sinais eléctricos que controlavam servomotores. Nos aviões clássicos quando o piloto mudava a posição dum flap, se o avião ia mais depressa o piloto sentia uma maior resistência pelo que tinha maior dificuldade em mudar rapidamente o flap. Pensou-se que seria prudente introduzir uma resistência “sintética” na alavanca de comando para evitar que em velocidades altas o flap mudasse a sua posição de forma brusca.

Tenho notado no “Google Images” que, embora acerte muitas vezes no tipo da imagem que buscamos, quando procuro o nome duma flor ele tem-me dito que se trata duma flor vermelha, isto nos seus dias melhores. Na demonstração, o software identificava com enorme rapidez as flores que lhe eram submetidas.

Achei também interessante e potencialmente útil o sucesso na procura de palavras ou frases na banda sonora de um dado filme, extendendo a possibilidade até agora apenas existente para palavras ou frases em textos às instâncias que existem como sons em filmes ou gravações. A aplicação desta busca a comunicações telefónicas parece um bocado assustadora pois torna mais fácil a aplicação de escutas de uma forma maciça onde anteriormente tal exigiria imensa mão-de-obra ou melhor, orelha-de obra. Por outro lado, sem este reconhecimento eficaz de palavras ditas será impossível ter tradutores automáticos, embora me continue a parecer que esta parte do reconhecimento de palavras ditas é várias ordens de grandeza mais simples do que chegar ao significado do que foi dito e encontrar uma forma equivalente noutra língua.

A investigação e desenvolvimento de veículos automóveis sem condutor é outro dos objectivos onde existem actualmente grandes investimentos e a computação gráfica é claramente uma ferramenta essencial neste domínio.



Achei graça que dentro do pacote CUDA, uma  plataforma de computação paralela criada pela NVIDIA exista referência à linguagem FORTRAN, a linguagem de programação em que escrevi os meus primeiros programas, nos finais dos anos 60 e que embora não seja actualmente das mais populares, tem uma base instalada de cálculo científico tão grande que continua a ser bastante usada.

Confirma-se assim um artigo que li há muito tempo na revista Sientific American, certamente no século XX, em que diziam que a linguagem FORTRAN continuava a ser usada se bem que com algumas transformações que a tornavam dificilmente reconhecível para os seus utilizadores pioneiros, concluindo: “não sabemos como serão as linguagens de programação de computadores que serão usadas no século XXI mas estamos convictos que uma delas se chamará FORTRAN”!


2018-07-13

Efeitos colaterais da directiva sobre Privacidade dos dados



Na sequência da aprovação duma directiva da União Europeia sobre a privacidade dos dados tenho recebido mensagens de variadas instituições a quem em tempos fornecera alguns dados.


Tenho dúvidas sobre a eficácia destas medidas legislativas mas, sinto-me satisfeito pela criação de leis que nos dêem alguma protecção, desde que não criem muitos obstáculos à circulação de informação.


Neste caso ocorreu um efeito colateral desejável, embora não previsto pelo legislador, pois entre as várias mensagens que recebi contava-se uma da Fundação Calouste Gulbenkian sobre esta directiva mas em que, além das perguntas e afirmações decorrentes da directiva me perguntavam se estava interessado em receber "newsletters" (em português dir-se-á "novidades"?) sobre actividades da Fundação.


Disse que sim e agora recebo de vez em quando mensagens sobre novas exposições e outras actividades!


A última é sobre uma exposição que junta num mesmo percurso peças da Colecção do Fundador com peças da Colecção Moderna, com curadoria de Joaquim Sapinho.


Das imagens da newsletter retive esta ao lado mostrando a porta do elevador da casa de Paris de Calouste Gulbenkian.


Depois retive ainda esta mostrando uma escultura de Canto da Maya (1890-1981), intitulada "Bendito seja o fruto do teu ventre" (1922), também da Colecção Moderna



Já mostrara outra obra deste escultor neste post sobre Art Déco, quer uma quer outra parecem-me obras de grande delicadeza.

Finalmente mostro a imagem original da Newsletter, onde além destas duas obras aparece como fundo um terceiro protagonista, um bocadinho do maravilhoso jardim da Fundação.






2018-07-11

Os 12 rapazes tailandeses e o seu treinador


Por esta altura já a maior parte das pessoas está a par do que se passou. Deixo aqui algumas das fotos que mais me impressionaram

Este julgo ter sido o momento em que os dois mergulhadores ingleses encontraram os 12 rapazes tailandeses que estavam desaparecidos há dias, juntamente com o seu treinador

Houve uma descrição no The Guardian que me deu pela primeira vez uma ideia da geografia do problema, tendo guardado o artigo no meu PC. Constatei contudo agora, ao tentar obter uma ligação para esse artigo, que o mesmo já não existe na forma em que eu o guardei em 5/Jul/2018. Presumo que para artigos sobre a actualidade, em que a informação disponível vai sendo confirmada/desmentida/completada, em suma, actualizada, o sítio do Guardian vai actualizando o artigo. Não sei quando param de actualizar e se arquivam essa última versão pelo que não deixarei aqui nenhuma ligação para o The Guardian, cuja visita contudo recomendo.

Quando os ingleses regressaram com a notícia que tinham encontrado o grupo de desaparecidos, estando todos vivos, outros mergulhadores foram enviados com comida, alguns remédios, folhas de isolamento térmico, lanternas e mais o que foi considerado possível e necessário, além de ficarem com o grupo um médico e um enfermeiro. Na imagem vêem-se já as características folhas de isolamento térmico



Desenvolveu-se então enorme actividade, envolvendo centenas de pessoas e dezenas de mergulhadores, além de grande quantidade de equipamentos, donde se destacaram as bombas para extracção de parte da água existente nas grutas e as inúmeras garrafas de ar comprimido para os mergulhadores.

Houve também longas discussões para encontrar a melhor forma de retirar o grupo que não sabia nadar nem tinha experiência de mergulho. Depois de considerada e abandonada a hipótese de deixar passar a época das monções, que corresponderia a alimentar e cuidar do grupo na gruta durante 4 meses, a equipa internacional de salvamento coordenada  pelos tailandeses definiu o procedimento a adoptar, de que dá uma ideia o diagrama seguinte


A colocação de garrafas ao longo do percurso e a sua substituição à medida que ia sendo gasto o ar nelas contido envolveu imensa gente como ilustra  a foto seguinte


Há a lamentar a morte de um mergulhador tailandês, ex-membro da marinha que se apresentou como voluntário e que, durante uma missão de transporte de garrafas cheias ao regressar, ficou sem ar na garrafa tendo perdido a consciência e sido impossível reanimá-lo, mostrando os riscos que os mergulhadores corriam nesta operação.

No dia 8/Jul iniciou-se a operação de salvamento tendo sido retirados da gruta com sucesso 4 rapazes do grupo. Um pormenor que não vi muito comentado foi a não divulgação da identidade dos membros desse grupo inicial, que foi imediatamente transportado para o hospital de Chiang Rai. Na imagem seguinte mostro a mudança de um dos rapazes duma ambulância para um helicóptero (ou vice-versa), com os 3 ou 4 para-sóis abertos e posicionados para garantir essa não divulgação.


Em 9/Jul foram retirados mais 4 rapazes e ontem, dia 10/Jul/2018 foram retirados os 4 rapazes que faltavam e o treinador. São estas as fotos respectivas


Estão de parabéns os salvadores, a coordenação do salvamento e os salvados.

Ao mesmo tempo que mais de um milhar de pessoas se esforçou durante vários dias para salvar estes 13 seres humanos, continuam guerras em várias partes da Terra onde milhares matam milhares.


2018-07-04

Sol Poente sobre Árvore nos Olivais




Hoje, ao fim da tarde, continuo com  dificuldade em fotografar árvores mas nesta acho que consegui.



Comparação EDP – “Certificados de Aforro Série B”



No ficheiro EDP-C.Aforro.xls de que mostro uma imagem, fiz um resumo dos resultados das minhas acções da EDP.



Durante os anos de 1997 a 2001 ocorreram várias emissões acompanhadas de prémios de permanência dados em acções, e distribuição de dividendos. O numero de acções foi aumentando, ocorreu uma operação de “split” em que cada acção se separou em 5, até atingir o valor de 5597 acções em Dez/2001 que se  manteve constante desde então. À soma das importâncias pagas até Dez/2001 subtraí os dividendos distribuídos nos anos de 1997.

Resumindo, gastei 14.345€ (custo de vários lotes de acções menos dividendos distribuídos) para deter 5597 acções em Dez/2001.

Passo a descrever colunas do ficheiro Excel
A) data no final de cada ano;
B) dividendo líquido (após taxa liberatória) distribuído nesse ano, normalmente em Maio, omiti uma venda de direitos de capital de 400 e tal euros em 2004;
C) taxa líquida do dividendo líquido função do valor total das acções em Dezembro do ano anterior;
D) valor total das acções segundo cotação do mercado na data; nos anos de 1997 a 2000 multipliquei as 5597 acções pela cotação unitária equivalente (€ em vez de escudo, considerando split em 5 acções desde o início);
E) cotação do título no último dia de cada ano, cotação equivalente de 1997 a 2000;
F) delta, variação do valor total nesse ano;

I, J) Considerei que em Dez/1997 tinha aplicado os 14.345€ em Certificados de Aforro em que cada unidade valeria 2,4938€ (os antigos 500$00). Esse depósito valeria em Jun/2018 27.418€, portanto mais do que a soma dos dividendos (B26=9.773€) com o valor total em Dez/2017 (D25=16.147€), soma que daria 25.921€ (D27).

K,L) depois pensei que poderia ter investido os dividendos em Cert.Aforro e fui buscar valores das unidades de participação de Mai/2002, Mai/2003, até dividendo de Mai/2007 (células K10:K15); para dividendos posteriores, uma vez que já não existiam cert.aforro tipo B arbitrei que taxa anual de juro líquido seria 2,25% e calculei valores que teriam nesse caso imaginado as unidades de participação (K16:K25). Neste caso em vez de ficar com os 25.921€ (D27) ficaria com 27.864€, 400€ acima dos 27.418€ que dariam os Certificados de Aforro.

Conclusão: um pequeno investidor que tivesse comprado Certificados de Aforro em vez de acções da EDP nas primeiras fases de privatização (1997-2000) estaria numa situação financeira muito parecida ao que tivesse mantido as acções até Dezembro /2017.

Não estou portanto a explorar indevidamente os consumidores de electricidade do nosso país. Se as rendas são excessivas isso não se deve a à necessidade de recolher dinheiro para sustentar remunerações exageradas dos pequenos accionistas de longo prazo como eu.



2018-07-02

Formigas em casa


Há muito tempo que me apareceram formigas em casa, duma variedade mais pequena do que aquela a que eu estava acostumado e com gostos também diferentes. Esta última diferença consistia na nítida preferência pelo fiambre em detrimento do açúcar que me recordo de ser o favorito da espécie que eu referi.

É difícil livrarmo-nos das formigas numa casa, julgo que o único método disponível é a utilização de veneno potente nos carreiros mais frequentes, uma vez que costuma ser muito difícil localizar o formigueiro. Na nossa casa passámos a guardar o fiambre mais depressa numa caixa estanque e a coexistir pacificamente com as formigas que não apreciavam açúcar.


Ultimamente, por qualquer motivo que desconheço, estas pequenas formigas passaram-se a interessar também pelo açúcar, criando dificuldade em continuar a utilizar açucareiros com um espaço na tampa para poder ter a respectiva colher sempre disponível.

Fiz então um pequeno teste para verificar se a preferência pelo fiambre se verificava face ao açúcar. Coloquei uma quantidade pequena de paio e uma colher de açúcar de café sobre uma folha de papel e embora as formigas tenham demorado uma meia-hora a descobrir o pitéu principal, quando uma delas o descobriu comunicou a muitas outras a descoberta. Na imagem seguinte mostro o que se passou, usando uma moeda de 20 cêntimos para dar uma ideia da escala


Retirei o pedacinho de paio que claramente continua a ser o pitéu preferido por estas formigas mesmo depois de retirado

 Ao fim de 5 minutos houve finalmente uma formiga que se interessou pelo montinho de açúcar

e esta era a situação passados já 25 minutos depois de retirado o paio

Resumindo, o interesse das formigas da minha casa pelo açúcar é muito moderado mas existe.
Complicando o caminho de acesso ao açucareiro, colocando-o em cima do prato de vidro duma pequena balança electrónica de cozinha como se vê na foto,


deixaram de aparecer as poucas formigas que vagueavam dentro deste açucareiro.

Entretanto as formigas descobriram outro açucareiro fora da cozinha, onde não existia um suporte equivalente para proteger o recipiente. Lembrei-me que talvez colocando um pequeno disco que pode servir de base para copos e forrando a borda desse cilindro achatado com fita adesiva dos dois lados, talvez a barreira fosse suficiente para deter as formigas

Mostro a seguir o açucareiro e a base (uma faiança grega que trouxera de "souvenir")


o aspecto do conjunto



detalhe do bordo da base onde se vê o adesivo



Constatei a posteriori que a minha ideia inicial tinha os seus pontos fracos pois seria desagradável ter qua andar periodicamente a retirar do adesivo as  formigas que a ele teriam ficado agarradas.

Felizmente as formigas foram desencorajadas de tentar a travessia, talvez pelo cheiro. Na dúvida mostro também a fita adesiva de dupla face que julgo ter comprado no Aki, pois talvez o seu cheiro seja essencial ao sucesso:




2018-07-01

Acesso aos meus álbuns de imagens (2)


Desde que o Google acabou com o acesso a fotos através da aplicação Picasa, passando a dar esse acesso através da aplicação "Google Photos" que os meus álbuns do Picasa deixaram de estar facilmente acessíveis através deste blog. Na realidade estou a usar um eufemismo pois não conheço nenhuma forma de acesso actualmente disponivel.

Clicando no nome de cada álbum obtém-se acesso ao álbum com o mesmo nome do Google Photos.

O primeiro post destinado a dar acesso aos meus álbuns de imagens foi em 2017-01-23, desde então renomeei os albuns substituindo "Pictures" por "Pics". Este post é a primeira actualização desse post.

Dei acesso ao álbum "Textos" onde desde Fev/2017 guardo ficheiros de imagens mostrando textos, mapas, capas de livros e outra informação gráfica.

Arquivo de Álbuns:


jj.amarante Pics_01  (   82 imagens, posts de  Mar/2008 - Mai/2008)

jj.amarante Pics_02  ( 581 imagens, posts de Mai/2008 - Ago/2010)

jj.amarante Pics_03  ( 499 imagens, posts de Ago/2010 - Jun/2012)

jj.amarante Pics_04  ( 421 imagens, posts de  Jun/2012 - Dez/2013)

jj.amarante Pics_05  ( 322 imagens, posts de  Jan/2014 -  Jun/2015)

jj.amarante Pics_06  ( 291 imagens, posts de  Jun/2015 - Ago/2016)

jj.amarante Pics_07  ( 300 imagens, posts de Ago/2016 - 14/Jun/2018)

jj.amarante Pics_08  ( posts de 22/Jun/2018 - )

Textos ( imagens de textos, mapas, fotos de livros, etc. posts desde Fev/2017-)

Contraponto            (24 itens)
Fotos com legenda   (19 itens)
Kew Gardens           (20 itens)
Macau                     (13 itens)
Maluda                    (16 itens)

United States Botanic Garden (20 itens)

Depois de algumas consultas na internet descobri esta forma de fornecer acesso às imagens que tenho publicado no blog. Muitas imagens nos álbuns têm o mesmo número de pixels que é mostrado no blogue, sobretudo as mais antigas, mas existem excepções que agora voltam a estar disponíveis.


Entre parêntesis estão as datas de publicação dos posts deste blogue que referiram pela primeira  vez as fotos. Os álbuns têm nomes pouco imaginativos, a maior parte são "jj.amarante Pics_xx" em que mudava de álbum quando o tempo de acesso dentro de cada um me aborrecia. Ultimamente tenho procurado que cada álbum contenha cerca de 300 imagens. Apena o último álbum (actualmente o "jj.amarante Pics_08" e o "Textos" recebem novas imagens, os outros são considerados como  concluídos.

2018-06-30

Wikipédia em português tem mais de um milhão de artigos!


Os leitores deste blogue sabem que com grande frequência os remeto para a Wikipédia, uma fonte de conhecimento que não sendo perfeita se aproxima muito da perfeição.

De vez em quando leio umas críticas mas a experiência geral é extraordinariamente positiva. Ainda não colaborei na edição de artigos mas penso nisso de vez em quando, tanto mais que muitos dos artigos em  português são menos desenvolvidos do que noutras línguas pois embora o português seja a 6ª língua mais falada em todo o mundo provavelmente muitos dos seus falantes não têm acesso à Internet e outros ainda serão analfabetos.

Fiz um rearranjo do anúncio de que em 26/Jun/2018 foi ultrapassado o milhão de artigos em Português



e pode ler aqui o texto completo do comunicado da Wikipédia.


Gato persa tosquiado


Achei graça a este gato persa numa janela dos Olivais


Não sei se a tosquia foi recomendada por algum problema de saúde ou para aumentar o conforto neste tempo quente.

Parece uma espécie de leão  albino em miniatura e antropomorfizando dir-se-ia com cara de poucos amigos.

Não sou especialista em gatos, só distingo os persas, os siameses e todos os outros. Os persas associo-os às cenas com o chefe dos maus nos filmes do James Bond.

2018-06-28

Rendas Excessivas?



A Comissão Parlamentar de Inquérito ao Pagamento de Rendas Excessivas aos Produtores de Electricidade iniciou as suas audições ouvindo o Engº Pedro Sampaio Nunes.

Um dos factos que justificou a sua audição foi a denúncia que um grupo de cidadãos, de que ele fez parte, apresentou em Bruxelas em Setembro de 2012 contra um alegado auxílio estatal concedido por Portugal à EDP, conforme noticiado pelo jornal Observador.

Muitas das perguntas  durante a audição andaram à volta dessa denúncia e da ausência de efeitos produzidos até agora. Segundo o artigo do Observador a denúncia alegava ilegalidades dos CMECs e da extensão do prazo de exploração das barragens continuando o artigo dizendo que “A denúncia relativa à extensão do prazo de exploração das barragens por 25 anos deu origem a um processo de investigação aprofundado com pedidos de esclarecimento feitos ao Governo português. O caso acabou por ser arquivado em Maio de 2017.”

Pedro Sampaio Nunes referiu que  os subsídios dados para a instalação de renováveis, sobretudo eólicas, tinham sido excessivos, não era necessário fomentar a instalação tão rápida de produção eólica pois os custos dos geradores estavam a diminuir. Estou de acordo com esta afirmação mas fico surpreendido de ela vir de um defensor em 2006 da adopção da energia nuclear em Portugal conforme transcrevo num artigo do Jornal Público:

«
Patrick Monteiro de Barros diz que foi dado "pontapé de saída do nuclear em Portugal"
Lusa
22 de Fevereiro de 2006, 22:32

Patrick Monteiro de Barros apresentou em Junho do ano passado um projecto de construção de uma central nuclear em Portugal

O empresário Patrick Monteiro de Barros considerou hoje que a Conferência sobre a Energia Nuclear, que se realizou em Lisboa, foi o "pontapé de saída do nuclear em Portugal", embora o tema tenha reunido mais opositores do que apoiantes.

"Hoje é um dos dias mais felizes da minha vida porque há 22 meses lancei uma ideia enquanto empresário, mas nunca pensei chegar ao dia de hoje e ver com esta reunião ser dado o pontapé de saída do nuclear em Portugal", afirmou o empresário na conferência organizada pela Ordem dos Engenheiros com o apoio das associações empresariais.
PUB

O empresário apresentou em Junho do ano passado um projecto de construção de uma central nuclear em Portugal com um investimento de 3,5 mil milhões de euros.

O projecto prevê uma potência instalada de 1600 megawatt (MW) e levaria sete anos depois da sua aprovação a entrar em funcionamento.

A iniciativa relançou o debate da introdução da energia nuclear em Portugal com as opiniões a dividirem-se relativamente à sua necessidade para responder à evolução do consumo da electricidade.

O antigo ministro da Indústria Luís Mira Amaral afirmou hoje durante a conferência ser a favor enquanto engenheiro, ter dúvidas sobre a sua rentabilidade enquanto economista e defendeu uma consulta aos portugueses se fosse político.

Eduardo Oliveira Fernandes, antigo secretário de Estado da Economia, foi mais contundente, tendo criticado a realização de uma conferência para debater o nuclear quando está em causa a "venda" de um projecto.

"Não me parece que o formato deste encontro tenha sido o mais adequado e tão pouco me parece que as motivações das associações empresariais e da indústria mostrem que têm os melhores consultores em energia e em desenvolvimento económico do país", disse Eduardo Oliveira Fernandes.

Oliveira Fernandes defendeu que o debate sobre o nuclear há-de ser necessário no futuro, mas terá sempre de ser integrado na orientação da política energética definida pelo Governo.

O Executivo já afirmou publicamente que o tema não será tratado na presente legislatura, mas a Comissão Europeia tem defendido cada vez mais essa opção para a Europa.

Oliveira Fernandes defendeu também que a questão do nuclear não faz sentido na medida em que esta central assegurará apenas 3,75 por cento do consumo de electricidade em Portugal.

Eduardo Oliveira Fernandes criticou ainda o Governo por ir passar os custos das energias renováveis para os consumidores, quando são os edifícios (da indústria e dos serviços) os responsáveis por 60 por cento do consumo de electricidade.

O professor catedrático João Peças Lopes mostrou-se igualmente contra a opção nuclear. Não é "interessante em Portugal num futuro próximo, atendendo ao volume de energia que iremos alimentar e às características do sistema eléctrico português".

José Delgado Domingos, professor do Instituto Superior Técnico, foi também muito crítico em relação à opção nuclear, defendendo antes a aposta nas renováveis, nomeadamente eólica, e no aumento da eficiência energética. "O nuclear pode agravar a eficiência energética e a eólica tem potencial para satisfazer a evolução do consumo", defendeu.

Pedro Sampaio Nunes, antigo secretário de Estado da Ciência e Inovação e que colabora com Patrick Monteiro de Barros neste projecto, defendeu a energia nuclear enquanto geradora de riqueza para o país, um factor do aumento da competitividade da indústria portuguesa e capaz de produzir electricidade sem poluir.

Sampaio Nunes defendeu ainda a segurança oferecida pelo nuclear, afirmando que o carvão oferece "maior perigosidade" e em termos de acidentes "a hídrica é a forma mais letal" de gerar electricidade.
»

Desconheço quais as intenções de Pedro Sampaio Nunes ao apresentar a denúncia em Bruxelas em 2012 mas não consigo deixar de pensar que foi uma pessoa que em 2006 defendeu que Portugal enterrasse dinheiro numa central nuclear de 1600MW duma nova geração que já estava a ser construída na Finlândia, descrita como empreendimento bem sucedido.

Segundo a Wikipédia aconteceu isto a esse empreendimento prometedor:

«
Teollisuuden Voima (TVO) ordered the 1600 MW nuclear reactor (Olkiluoto 3) in 2003. The suppliers were the French company Areva NP (formerly Framatome) and the German company Siemens, which owned 34% of Areva NP. The price was fixed at €3 billion and completion was scheduled for 2009.[14] The construction of this plant is now substantially behind schedule and over cost. As of 2010, Areva expected to lose €2.3 billion ($3.2 billion) on the project. In June 2010, start-up was scheduled to begin in early 2013 and would take several months.[15]

According to World Nuclear Association 2008: ”Experience has shown that each year of additional delay in the construction of a nuclear power plants adds another estimated $1 billion to the cost”.[16]

Siemens sold its share of Areva NP to Areva in January 2009 for €2.1 billion.[17] In June 2010, the European Union began an investigation of Areva and Siemens for anti-trust violations in nuclear cooperation.[18] The European Commission lists the publications related to the case.
»

Na altura em  que Portugal estava a comprometer uma quantidade excessiva de dinheiro em subsídios às renováveis Pedro Sampaio Nunes recomendava gastar dinheiro num projecto semelhante ao que na Finlândia passou de 2003-2009 para 2003-2019, se conseguirem colocar a central nuclear em serviço em 2019. Isto depois dos acidentes de “Three Mile Island” e sobretudo depois de “Tchernobyl”, pois ainda não tinha ocorrido Fukushima.

2018-06-26

Desinteresse do Esquerda.net


Não sou leitor regular do esquerda.net mas fui lá dar pelo título ”Manuel Pinho indicou Vitorino para ir a Bruxelas defender rendas da eletricidade” pouco depois da publicação da notícia no dia 14/Jun/2018.

Constatei que a notícia tinha uma incorrecção em “Rui Cartaxo, atual chairman do Novo Banco e então assessor do ministro...” pois Rui Cartaxo deixou de ser chairman do Novo Banco, conforme noticia no Jornal de Negócios de 9/Out/2017 dizendo aí que a substituição por Byron Haynes teria lugar antes de 20/Out/2017.

No sítio do Novo Banco, onde descreve a composição dos Órgãos Sociais e Estatutários, depois de 14/Jun/2018 e ainda hoje dia 26/Jun/2018 não consta o nome de Rui Cartaxo, referindo como Presidente do Conselho Geral e de Supervisão o nome de Byron James Macbean Haynes, o nome já referido em Out/2017.

Dei-me ao trabalho de enviar uma pequena mensagem apontando a incorrecção do artigo neste pormenor, na secção “Escreva-nos”.

Não me responderam nem corrigiram o erro. Se não tinha importância andam a referir coisas irrelevantes, se tinha importância foram negligentes. Se dizem “Escreva-nos” e não prestam atenção ao que lhes enviam estão a enganar os leitores fingindo interesse em os ouvirem.

E uma pessoa fica a pensar na falta de qualidade da informação do sítio do esquerda.net.


2018-06-24

Hans Rosling descobrindo preconceitos através da Estatística



Hans Rosling (1948-2017), médico de saúde pública, especializado em Estatística, académico e conferencista, começa este vídeo referindo que após passar 20 anos em África estudando a fome e a saúde pública nesse continente regressou à Suécia para dar aulas sobre o que tinha aprendido nessa estadia africana.

Eram aulas numa universidade sueca para alunos de licenciatura de medicina e fez um pequeno teste para ver se teria novidades que pudessem ser úteis a esses alunos.

Apresentou este questionário para 5 pares de países (no instante 01min:28seg do video)

Qual destes países tem a mortalidade infantil mais alta?

Sri Lanka  ou   Turquia
Polónia      ou  Coreia do Sul
Malásia     ou   Rússia
Paquistão   ou  Vietname
Tailândia    ou  África do Sul

E os estudantes suecos tiveram em média 1,8 respostas correctas. Se fossem ignorantes teriam uma média de 2,5. Uma média de 1,8 revela preconceito!

Mas há males que vêm por bem, neste caso o Hans Rosling concluiu que tinha conhecimentos ensináveis a estes estudantes, desenvolvendo técnicas gráficas de enorme clareza e beleza para tornar mais interessantes as apresentações das estatísticas disponíveis.

Recomendo vivamente este vídeo em que fala da esperança de vida e da fertilidade de países de todo o mundo, desde 1962 até 2015 e mais um conjunto de estatísticas muito interessantes



Gostei também muito deste sobre a Máquina de lavar roupa



e ainda deste





2018-06-23

De joelhos


Anteontem fui surpreendido por esta cena na estação de metropolitano de S.Sebastião


que ampliada revela uma mulher a olhar para o seu telemóvel em posição de joelhos. Fiz a conjectura que seria uma pessoa cansada que se teria ajoelhado, com a pesada mochila à frente dos joelhos para maior controlo, para descansar do peso desta enquanto os amigos compravam bilhetes, aproveitando a pausa para ver alguma coisa no telemóvel. Provavelmente uma turista, que isto de fazer turismo cansa.



Mas não deixa de ser uma posição pouco habitual no espaço público fora das igrejas.

Uma posição semelhante, também fora das igrejas, era a das vendedoras de bolos na praia de Quarteira há uns 60 anos, em que as vendedoras ajoelhavam em frente das potenciais freguesas depondo à sua frente um cesto de vime com 2 tampas a abrir em asa (como o Mercedes 300SL, ou as joaninhas), numa posição semelhante à desta vendedora de cupidos de J.M.Vien que mostro a seguir




2018-06-22

Escher revisitado (3) e Magritte


A representação num plano de objectos tridimensionais é muito menos óbvia do que parece à primeira vista, basta reparar nas representações da realidade feitas por crianças em folhas de papel para se constatar isso mesmo.

No Ocidente, depois de séculos de representações seguindo regras que foram evoluindo no tempo, foi-se tornando dominante no Renascimento o uso da perspectiva pois dá uma maior sensação de realismo.

Depois do pessoal da pintura se apurar na representação de pessoas, com posses suficientes para pagar o trabalho do pintor, ou cenas consideradas importantes pela igreja, instituição tradicionalmente rica em recursos materiais (e espirituais...) as pessoas estenderam os seus motivos de interesse pictóricos a representações de eventos históricos (uma vez que não existiam na altura telemóveis para eternizar esses momentos) ou a cenas da mitologia, onde era viável introduzir alguma nudez, interdita noutras circunstâncias. Mas como tudo cansa, no século XIX começou a surgir interesse também nas paisagens, que anteriormente se destinavam apenas a tornar menos monótono o fundo dos quadros, e nas pessoas comuns, camponeses, operários e burgueses.

Com o advento da fotografia o objectivo da representação exacta dos motivos pictóricos ficou muito abalado e os pintores sentiram a necessidade de fazerem representações mais estilizadas da realidade, como os impressionistas, a que se sucederam uma série de escolas explorando essa via, num sentido de abstracção crescente. Outra via foi manter a representação exacta dos detalhes mas apresentá-los num contexto “superior ao real” ou surreal.

Escher não se distinguiu como pintor mas antes como criador de gravuras, em madeira (xilogravura) ou em pedra (litografia), normalmente em composições a preto e branco usando a côr com grande moderação.

Além das paisagens e das técnicas de preenchimento do plano com figuras de grande complexidade que se encaixam perfeitamente como estes cavaleiros


irei passar agora a mostrar alguns exemplos das cenas irreais mas com pormenores dum realismo fotográfico.

De uma forma geral a representação em duas dimensões de objectos tridimensionais só aparentemente é perfeita. Por exemplo é fácil representar objectos a flutuar no ar pois num quadro não se faz sentir a força da gravidade.

Um quadro contem representações de objectos reais e não os próprios objectos como se constata nestas “mãos desenhadoras” que Escher desenhou em 1948



Magritte chamou a atenção para esse facto no quadro famoso de um cachimbo com a frase “Isto não é um cachimbo”. Mostro o quadro de Magritte e uma variante das mãos de Escher a que adicionei um comentário “Magrittiano, seguido do quadro de Magritte de 1928 “La tentative de l’impossible” em que se vê um pintor a pintar uma mulher no próprio quadro

    

Existem outras cenas em que um desenho minucioso mostra estruturas impossíveis, o desenho é realista ao nível micro mas contém impossibilidades num nível mais macro, como é o caso deste Miradouro (1958) em que vários figurantes disfrutam da construção impossível, enquanto apenas um deles se interroga, observando um croquis, sobre o que há de estranho na construção existente nas suas costas

 

Ao lado mostro um quadro de Magritte (Le blanc seing de 1965) duma mulher a cavalo numa floresta em que cada tira vertical é realista, o que falha é a sequência impossível de tiras verticais.

São boas ilustrações da insuficiência da análise local para uma percepção global dum fenómeno, como por exemplo da microeconomia para descrever completamente os fenómenos económicos.

Ainda poderia falar sobre mais características da obra de Escher mas isto é um post e já está a ficar muito longo. E vou por ora encerrar esta série de posts sobre o Escher.

2018-06-14

Gluten-free Gluten


Seguir boas regras de nutrição é essencial para manter uma boa saúde, o problema é identificar as que merecem o qualificativo "boas".

Percebe-se que à medida que o nosso conhecimento vai aumentando existam variações no que é considerado bom e no que é considerado mau, mesmo nas técnicas médicas isso tem acontecido, mas é muito frustrante uma pessoa privar-se dum alimento que muito aprecia por ter sido considerado nocivo à saúde e passados uns anos se conclui que afinal é benéfico, como foi o caso da manteiga e do azeite na segunda metade do século XX. Existe ainda o caso de uma pessoa consumir alimentos de que não gosta porque são alegadamente muito benéficos para depois se concluir que afinal não trazem benefício especial.

Por esse motivo não consumo alimentos que me desagradam mesmo que digam que fazem muito bem à saúde e tento reduzir o consumo de alimentos que me dizem que são maus mas que me sabem bem. Quanto aos maus que não gosto aproveito para os banir da minha dieta.

Como toda a gente precisa de comer todos os dias, a classificação da qualidade de cada tipo de alimento, além de incluir conselhos de natureza científica inclui também muita moda, a que não será alheia a existência de interesses económicos importantes.

Por exemplo a existência de pessoas cujo organismo não tolera o glúten levou ao exagero de se considerar que os alimentos sem glúten são melhores do que os que contêm glúten, aparecendo muitos alimentos promovidos como livres de glúten. É bom que existam produtos sem glúten nos supermercados para facilitar a vida a quem tem intolerância ao glúten mas não é uma característica que os aconselhe a toda a gente.

Esta capa da New Yorker que apresento a seguir, feita pelo autor Bruce McCall, ironiza sobre este tema. Achei muita graça ao anúncio do "Glúten sem glúten" na rulote da direita, ao "ar artesanal" e à troca de pratos com alimentos nocivos e saudáveis entre os vendedores das rulotes.






2018-06-12

Cumulus


Cumulus é o nome dum tipo de nuvens que parecem feitas de algodão, como esta que fotografei ontem nos Olivais, aparentemente a desenvolver-se sobre o estuário do Tejo.


Li na Internet que não costumam trazer chuva excepto quando se tornam muito grandes crescendo em altura. Nesse caso passam a chamar-se Cumulus Nimbus e podem trazer grandes chuvadas.

Não foi o caso desta, se bem que bastante grande. Esta Primavera tem-me parecido uma "Primavera propriamente dita", tem sido uma estação simpática como deveriam ser as Primaveras, temperatura amena já sem os frios invernais mas ainda sem o calor do Verão, com alguma chuva mas sem exageros.

Bem sei que as esplanadas apreciariam um Verão antecipado mas ainda vivemos numa zona temperada com 4 estações.


2018-06-10

Dia das Giestas


Às vezes quando vejo giestas lembro-me que havia um "dia das giestas", quando vivia no Porto. Fui agora ver na net e constatei que era dia 1º de Maio. Não me recordo de falarem disso em Lisboa, mudei para cá em 1959, não sei se seria alguma forma de não falar do dia do trabalhador ou se no Norte ligam mais a esta tradição.

No princípio de Junho tirei esta foto na Praia da Rocha, no jardim ao pé da Fortaleza que tem estado um bocado ao abandono mas as giestas têm continuado a florir por esta época


No mesmo jardim ainda estavam estas flores, de plantas que quase não precisam de manutenção, Buganvília, Lantana Camara  e mais umas giestas






2018-05-29

Escher revisitado (2)



Depois de visitar em 1922 a Itália e Espanha incluindo o Alhambra, Escher viveu em Roma de 1923 a 1935 e são dessa altura as gravuras seguintes. A primeira que foi feita em 1930 é de Castrovalva, uma pequena povoação nos montes Abruzos no centro de Itália



onde todos os elementos, plantas casas, rochas, montes, campos cultivados, nuvens, assumem um certo dramatismo.

A segunda gravura (foto que tirei que ficou com um reflexo no lado direito) datada de 1931 é de Atrani, uma pequena povoação adjacente a Amalfi, na costa Amalfitana



Antes de frequentar o curso de Artes Decorativas Escher frequentou o curso de Arquitectura, este poderia ser um esboço dum estudante dessa arte. Esta obra foi posteriormente utilizada na gravura “Metamorfose” datada de 1940, como referi noutro post e que mostro a seguir



Acho interessante esta “reciclagem” de trabalhos já realizados, no software insiste-se muito na reutilização do que se fez.

A gravura seguinte datada de 1932 (foto também da exposição) é de uma quinta em Ravello, também na costa Amalfitana



Os socalcos têm um aspecto fora do comum, devem-se certamente à natureza abrupta das encostas dessa zona de Itália.

Finalmente mostro o interior da igreja de S.Pedro no Vaticano, gravura de 1935, em que as figuras humanas são pequenos traços lá ao longe, projectando sombras no chão.


Fiquei a pensar porque existem tão poucas figuras humanas nas obras de Escher. Fiz a conjectura que a sua paixão pela exactidão tornava inviável a presença de modelos humanos, que não suportariam tanto tempo de pose. Assim, as figuras humanas que aparecem são meros figurantes sem individualidade. A excepção é o próprio Escher, que era o que se encontrava sempre disponível.

2018-05-28

Escher revisitado (1)


A referência à exposição do Escher, actualmente em Lisboa até 16/Set/2018, levou-me a rever numerosas imagens que coleccionei de vários sítios da Internet como por exemplo estes:

- M.C.Escher Foundation Gallery
- WikiArt (Visual Art Encyclopedia) M.C.Escher

Alguns dos endereços internet de sítios com imagens do Escher desapareceram, os hyperlinks são cómodos e rápidos mas são muito voláteis. Tenho começado a guardar os conteúdos que refiro aqui no blogue para eventualmente tornar mais fácil descobrir a nova localização do sítio para o qual tinha uma ligação.

O Escher costumava datar a grande maioria das gravuras com o mês e o ano. Considerando  que nasceu no ano de 1898, esta gravura intitulada “Paraíso” e datada de 1921 foi portanto concluída no ano em que completou 23 anos.




Se bem que a técnica de realização da gravura pareça razoável a um leigo como eu, a composição é muito naïf, com uma simetria infantil e os animais em pose, a olhar para o pintor como se se tratasse de uma fotografia de família!

Nos sítios que visitei vi umas cenas bíblicas e uns poucos nus que me pareceu melhor omitir dada a sua fraca qualidade. O artista deve ter chegado à mesma conclusão pois abandonou a representação de pessoas e de mamíferos, tendo-se concentrado em paisagens, arquitectura, plantas, e no reino animal os peixes, insectos, répteis e aves. Dedicou-se ainda a estudar formas de preencher o plano com figuras não geométricas e a representar cenas irreais, com um detalhe local quase fotográfico. Talvez o artista se tenha interessado pelos desenhos irreais como forma de mostrar que uma cena, perfeitamente verosímil quando observada em grande detalhe, pode conter impossibilidades apenas detectáveis quando se olha para o conjunto.

Além de ter vivido na Holanda, na Suíça e na Itália o Escher visitou o Alhambra, tendo ficado fascinado com os mosaicos islâmicos que lá encontrou, que foram inspiração para o resto da vida. Mostro a seguir a cópia de  um mosaico do Alhambra, feito por Escher em 1922



 e a seguir uma foto dum mosaico semelhante que tirei em Jun/2011 e que mostrei aqui num dos posts em que referi o Alhambra:



Noto que enquanto no desenho do Escher as linhas de separação entre as peças esmaltadas de várias cores têm espessura, são brancas e passam alternadamente umas por cima das outras (isso será sempre possível?), no mosaico que fotografei são apenas linhas sem espessura. Não sei se existem as duas variantes na construção original, ou se se trata duma reconstrução em que se optou por suprimir a espessura das linhas referidas.

Para perceber as técnicas de construção destes mosaicos indicaram-me dois artigos:

- Jay Bonner paper "Three Traditions of Self-Similarity in Fourteenth and Fifteenth Century Islamic Geometric Ornament"
- Craig_Kaplan_and_David_Salesin "Islamic Star Patterns in Absolute Geometry"

As técnicas de construção dos mosaicos não eram divulgadas, constituindo uma espécie de “segredo industrial” e algumas têm vindo a ser reconstituídas, entre várias pessoas pelos autores acima citados. Mostro a seguir uma figura do artigo do Jay Bonner.


Na biografia resumida de Jay Bonner consta que se profissionalizou como “Architectural Ornamentalist”, depois dum mestrado em Design em Londres, estando a sua empresa de consultadoria localizada actualmente em Santa Fe no Novo Mexico, USA. Na sua biografia consta que realizou trabalhos na grande mesquita de Meca, o que me parece, no mínimo, notável. O início do site tem uma pequena amostra de trabalhos realizados.

Neste post de Dez/2013 sobre “A Rota do Azulejo” referi esta imagem



como disponível neste endereço (https://thoth.nl/Rubrieken/Kunst/Escher-schatten-uit-de-islam), duma exposição intitulada “Escher-meets-islamic-art”. Entretanto o link deixou de estar disponível, como é bastante frequente na Internet. Mas googlando (Escher-meets-islamic-art) aparecem imensas imagens e sítios interessantes.

Farei em breve mais posts sobre a obra do Escher.