2013-07-04

O crescimento da cica

Há uns anos comprei esta planta ornamental, com folhas parecidas com as das palmeiras, chamada cica.

Manifestou nos primeiros tempos alguma exuberância, mas abrandou depois o crescimento, tendo eu conjecturado que tal se deveu às raízes terem ocupado completamente o seu vaso.

Quando se encontrava já em bastante mau estado foi possível transplantá-la para um canteiro ao pé da minha casa nos Olivais Sul e no dia 26/Jun/2013 constatei com alegria que estavam a despontar novas folhas, fenómeno que não acontecia há vários anos.

Como tinha achado que as folhas cresciam muito depressa, ao contrário do que acontece actualmente com a economia de Portugal, pensei em tirar uma foto por dia durante uma semana para documentar essa velocidade de crescimento, o que fiz começando na manhã de 26/Jun

Esta é a foto do dia 26, mostrando a planta quase toda



e a partir daqui mostro o detalhe central, primeiro no dia 26/Jun


depois no dia 27/Jun


depois em 28/Jun


agora em 29/Jun começando-se a ver os bicos das folhas


depois em 30/Jun, com as folhas ainda muito enroladas


depois em 1/Jul


em 2/Jul, com a planta à sombra por ter passado a manhã


e o último dia desta série, o dia 3/Jul, em que as folhas jovens já mediam 50 centímetros


finalizando com outra imagem da quase totalidade da cica na mesma data de 3/Jul:

5 comentários:

sonia a. mascaro disse...

Olá!
Acho muito linda a cica. Ótima a sua idéia de fotografar o seu crescimento.
Um bom domingo!

Fernando Pinheiro disse...

Um dia, há muitos anos, as vidas de um homem e de uma cica cruzaram-se. E nesse mesmo dia o homem apaixonou-se pela cica.
A cica vivia artificialmente num vaso e estava à venda – como certas aves vivem em gaiolas e às vezes estão à venda.
O homem tinha dinheiro e apossou-se da cica sem dificuldade – como outrora quem tivesse dinheiro podia comprar uma escrava.
Seguiram-se anos de vidas paralelas em que a cica, dócil como algumas escravas ainda muito jovens, fez-se adulta discretamente e ao longo dos anos deu à luz uma série de folhas, com muito gáudio tanto em si própria como no seu senhor.
Então veio o que nela pareceu ser esterilidade. E definhou, ficou com mau parecer. Ia morrer, parecia.
Foi então que o seu senhor pensou no vaso e um dia apressou-se a dar liberdade à cica instalando-a num terreno vago, perto da casa dele.
Nos anos que se seguiram a cica, fora do vaso, estendeu as raízes como quem estende as pernas, e moveu as extremidades como quem move os dedos dos pés, toda ela entregue à volúpia do gozo inefável da liberdade.
E ganhou alento sem o seu senhor se aperceber de que ela estava a recuperar a saúde.
Mas recentemente ele escreveu no seu blog : No dia 26/Jun/2013 constatei com alegria que estavam a despontar novas folhas, fenómeno que não acontecia há vários anos.
“Constatei com alegria”, disse ele.
Há gente assim, digo eu.
Fernando Pinheiro.

Larissa Aquino disse...

ola! fiquei encantada com a cica e muito surpresa com o crescimento, pois tenho duas cicas, e não crescem nada, infelizmente,estao como o vosso pais. Poderia me dar uma dica, queria muito vê-las crescerem assim. abraços!!

jj.amarante disse...

Larissa, infelizmente o post esgota o meu conhecimento sobre cicas. Portanto, a única sugestão que me ocorre é mudá-las para vasos maiores.

Larissa Aquino disse...

obrigada mesmo pelo pouco que sabe. Já as coloquei no jardim, vamos ver se ela desenvolve melhor! abraços