2011-01-25

Tunísia (2)

Um amigo tunisino disse-me num e-mail que a internet e as redes sociais facilitaram a revolução na Tunísia e que era um bocado irónico que esse uso da internet tivesse sido muito promovido pelo próprio ex-presidente Ben Ali, para favorecer os negócios de uma filha que era a principal proprietária da empresa fornecedora de ligações à internet.

Ele costumava dizer aos amigos para não desesperarem de se livrarem do Ben Ali, porque os Portugueses ao fim de 40 anos lá tinham conseguido fazer a sua revolução, lá por já ter passado muito tempo na Tunísia não queria dizer que fosse impossível. Aqui se constata que mesmo o facto de nós Portugueses termos demorado tanto tempo a derrubar o Estado Novo pode afinal ter o seu lado positivo!

Deixo aqui uma imagem de convívio tranquilo numa praceta de Tunis, na confluência da Rue de la Kasbah com a Rue Dar El Jeld  (36º 47’ 52.31” N, 10º 10’ 07.62” E), uma espécie de recanto da Place de la Kasbah, num fim de tarde de Junho de 2009.

Gostei do aspecto acolhedor da praça, dos pequenos lagos, acho que as árvores dão sempre frescura, mesmo que não precisassem de as ter podado de forma tão geométrica e gostaria que voltassem a pôr árvores na Praça do Comércio em Lisboa.


As ideias arquitectónicas bem sucedidas propagam-se, neste caso a fila de arcos em ferradura ao fundo da praça tem o mesmo estilo da famosíssima colunata da mesquita de Córdoba.

Na imagem a seguir, que tirei num hotel nos subúrbios de Tunis, voltam a aparecer os arcos, desta vez sem um papel estrutural, com a função oculta de condutas de ar condicionado.


Os embutidos coloridos no chão de mármore parecem-me bem executados, resultando contudo num conjunto algo confuso. É para condizer com este blogue...

5 comentários:

JMiguel disse...

Não acho que este blogue seja confuso!
O facto de estar muito bem executado constitui uma afinidade muito mais forte com os embutidos.
Agradecido pela excelência das imagens, dos textos, dos temas
JMiguel

Helena disse...

:-) para a última frase do post.

Bela ideia, essa de disfarçar as condutas de ar condicionado com elementos tradicionais da arquitectura.

jj.amarante disse...

JMiguel e Helena, obrigado pela simpatia.

Henrique ANTUNES FERREIRA disse...

Jótajótamigo

Qual confuso, qual carapuça! Gosto disto e não aprecio a confusão, prontos (sem s). É um blogue cheio de interesse, bem desenhado e bem executado.

Quanto à Tunísia, vamos por partes.

a) - Estive lá três vezes, de férias, e com a minha mania de cocabichinhos muito própria dos jornalistas, tentei perceber o que se passava política, social e culturalmente.

Que era uma ditadura megalónoma aperebia-se de imediato. Bastava ver os retratos de Ben Ali plantados em tudo que era sítio.

b)Em conversas com taxistas (excelentes fontes, diga-se) dei-me conta de que o clã do Presidente era omnipresente.

Muitas cadeias de supermercados, bastantes empresas de serviços os mais diversos, pertenciam ao gangue. A esposa do líder conseguia ser mais odiado do que ele. Aliás, toda a família.

c)A Tunísia tem História, tem Cartago, tem arte, tem turismo, é um excelente local para passar férias. Ver-se-á se será bom para viver.

Desculpa-me o tamanho da prosa. Se te quiseres vingar, já sabes: na Minha Travessa

Abs

jj.amarante disse...

Henrique, obrigado pelas palavras amigas.