2010-03-26

Eficiência energética e tempo de vida



Há uns tempos adquiri um equipamento muito interessante que possibilita medir o consumo de um ou mais electrodomésticos de uma forma simples.

O equipamento iMeterPlug, mostrado aqui ao lado, e fabricado por uma empresa portuguesa com sede em Coimbra, consiste numa caixa com uma ficha saliente que se liga numa tomada eléctrica, possuindo essa mesma caixa uma tomada onde se liga o aparelho cujo consumo se pretende medir.

O desenho é radical pois não existem botões de comando nem mostradores, comunicando o aparelho com o exterior através da tecnologia Bluetooth. Instalando uma aplicação no PC ou em telemóveis com Java tem-se acesso aos valores medidos instantaneamente, tais como a potência activa, a reactiva, a tensão, a corrente, a frequência e o ângulo de fase, como ilustrado na representação parcial da interface de diálogo no PC que mostro a seguir.


Além destas medidas a caixa pode contar a energia consumida e armazenar para downloads futuros os valores medidos cada (por exemplo) minuto, tendo o meu modelo capacidade para armazenas 1250 amostras. Estes valores podem ser enviados via Bluetooth da caixa para o PC, onde é fácil colocá-los numa folha Excel e fazer algum processamento adicional como por exemplo apresentá-los num gráfico.

Foi o que fiz em tempos com o meu frigorífico, um combinado de cerca de 300 litros de capacidade, com a parte de baixo para congelados, com 2 compressores, adquirido em 1988, tendo tido uma reparação importante durante a sua vida e algumas mudanças de borrachas.

O gráfico com valores vermelhos mostra o consumo do frigorífico antigo durante 1250 minutos, cerca de 21 horas. Vê-se que um dos compressores consome cerca de 100 W enquanto o outro 150W. Os compressores ligam e desligam de forma independente, ocorrendo frequentemente o funcionamento simultâneo, altura em que o consumo se situa cerca de 230W.




Ao fim de 8,4 dias o frigorifico antigo consumiu 22,6 kWh dando um consumo médio diário de 2,7 kWh. O combinado mais ou menos com a mesma idade, de um colega a quem emprestei o iMeterPlug, tinha uma consumo médio semelhante.

Há menos de um mês o frigorífico antigo avariou-se e achámos que estava na altura de o substituir. Comprámos um combinado parecido, também à volta de 300 litros de capacidade, classe de eficiência A+. Foi com bastante curiosidade que fui verificar o consumo da nova aquisição. Conforme se pode ver no gráfico a seguir




a evolução da eficiência energética dos frigoríficos ao longo destes 22 anos foi espectacular. O consumo médio do frigorífico novo ficou-se pelos 0,6 kWh diários, em vez dos 2,7 kWh! Noto também que faz muito menos barulho do que o modelo anterior.

Há muitos anos li numa revista da Science et Vie que a indústria automóvel deveria evitar o erro dos fabricantes de frigoríficos, que tinham feito umas máquinas tão perfeitas que os consumidores não necessitavam de mudar de modelo, acabando o mercado por ficar saturado.

Continuo a achar este pensamento profundamente errado e achava que era desejável que os bens de consumo duradouros fossem tão duradouros quanto possível, sem obsolescências prematuras e premeditadas.

É irónico que sejam agora os próprios frigoríficos a matizar esta minha opinião. Poderá eventualmente ser mais ecológico produzir produtos um pouco mais baratos e menos duráveis, quando houver uma expectativa boa de melhorar a eficiência energética num futuro próximo.

Aos preços actuais dos frigoríficos e da electricidade em Portugal, uma diferença de consumo diária de 2,1 kWh paga o frigorífico novo em 5 anos!

Mesmo assim, é possível que a troca de um frigorífico antigo a funcionar bem por um novo mais eficiente não corresponda a um começo de poupança de energia ao fim de cinco anos, pois o frigorífico novo poderá ter muita energia envolvida no seu fabrico, adquirida a um preço menor por ter sido comprada com uma tarifa de grande consumidor industrial.

2 comentários:

Anónimo disse...

Quando comprei a minha casa á uns anitos,fui medir o consumo dos aparelhos electricos que tinha,um por um,e, qual foi o meu espanto ao descobrir que o frigorifico desligado(sem o motor a trabalhar)gastava mais que uma lampada acesa,e,o desperador em stand by tambem ia lá para perto.Com a concorrencia entre as marcas mais derivado á crise,hoje em dia até têem exposto nas lojas quanto é que o aparelho gasta em stand by.
Acho que é a unica coisa positiva que a crise produziu...
Moreno

Helena disse...

Um cunhado meu também tem um aparelho desses, mas sem bluetooth, para medir o consumo dos electrodomésticos. E descobriu que a máquina de fazer café gasta mesmo quando está completamente desligada. Começou a desligá-la directamente na tomada.

Ele há cada coisa...