2008-06-25

Traduttore traditore

A imagem do post anterior com as suas nuvens escuras fez-me lembrar esta outra que tirei recentemente na Bretanha, na marina da península de Arzon, perto da entrada do Golfo de Morbihan, um grande mar interior, repleto de ilhas, perto da cidade de Vannes.



O aspecto ameaçador das nuvens é apropriado para falar do livro "Evil in Modern Thought", cuja última frase é: "Between the adult who knows she won't find reason in the world and the child who refuses to stop seeking it, lies the difference between resignation and humility"

e na tradução portuguesa: "Entre o adulto que sabe que a criança não encontrará sentido no mundo e a criança que se recusa a deixar de o procurar reside a diferença entre a resignação e a humildade."

A Susan Neiman usa por vezes "her" ou "she" em vez de "his" ou "he", porque umas vezes está a pensar em alguém feminino outras para marcar posição que o masculino não deverá ser de uso obrigatório. Embora eu "tropece" no género, nenhuma vez o texto me pareceu forçado e se continuar a ler textos destes vou deixar de reparar nestas variantes.

Presumo que o tradutor ficou confuso com o uso não standard do "she" e como criança é feminino em português considerou erradamente que o "she" se referia à criança. Contudo não acho isso nada evidente, o significado simples é que se trata de uma adulta que está a pensar.

Acho que a versão portuguesa está incorrecta e parece-me mais "resignada" que a versão inglesa.

Ao ler a versão inglesa fico com a impressão que a autora está a louvar a humildade e energia da criança enquanto na versão portuguesa a autoridade do "conhecimento" do adulto faz a criança parecer um pequeno Sísifo. A criança é elogiada mas mais como uma forma de fugir ao desespero.




Entretanto as nuvens não concretizaram a ameaça e deixo aqui ao lado uma imagem de uma madressilva da Bretanha.

Quando regressei a Portugal fui verificar como se dispunham as inflorescências da nossa madressilva e confirmei que não é nada disto. Ao longo de uma haste vão aparecendo conjuntos de 4 flores enquanto que aqui é mais de uma dúzia a sair do mesmo ponto.

Na embocadura do golfo de Morbihan tem uns caminhos pedestres. Os franceses da região estavam espantados com a quantidade de sol que nos brindou, em França a Bretanha tem a reputação de ser um sítio onde chove de forma quase ininterrupta.



No Golfo do Morbihan estava bom para andar à vela



Para fechar deixo este conjunto de flores amarelas cujo nome desconheço.

2 comentários:

Margarida disse...

olá....uma foto espectacular!!!!
tirada onde?
trata-se de Hypericum calycinum
Parabéns!!!
margarida

jj.amarante disse...

Obrigado pelo nome da planta de flores amarelas. Todas as fotos deste post foram tiradas ao pé da marina da península de Arzon, perto da entrada do Golfo de Morbihan, na Bretanha.